11 de out de 2014

A viagem de trem

Eu moro no Paraná. Uma colega de trabalho disse que ouviu essa história no programa Sensacionalista do Multishow. Um homem pegava o último trem da noite para ir para o prostíbulo mais próximo, pois havia ganhado ingressos como um prêmio de consolação no bingo do bairro. Quando ele entrou no vagão ele percebeu que estava praticamente vazio, exceto por ele e mais três pessoas. Amedrontado, ele se sentou no cantinho, fazendo-o relembrar da sua época da escola onde sofria bullying da turminha do fundão. Ele sofreu calado. Entre as lágrimas de um passado tenebroso, ele percebeu que a senhora em sua reta olhava fixamente para ele.

Ele pegou o seu livro e começou a ler, mas percebeu que a mulher continuava o encarando, provavelmente pelo fato do livro ser 50 Tons de Cinza. O trem parou na estação seguinte e um outro homem entrou. Ele olhou por todo o vagão, para as três pessoas e para o nosso protagonista e decidiu sentar do lado dele após sua analise sherlockiana. Quando o trem saiu da estação, o homem se encostou no banco e começou a cantar "Te amo meu bebê" do Gustavo Lima falou baixo no ouvido do cara: "Se tu sabe o que é bom pra ti, tu sai comigo na próxima estação". Ele ficou um pouco assustado, mas sabe Deus porquê, ele saiu da estação junto com aquele desconhecido, enquanto mostrava o dedo do meio para aqueles que ficaram.

*o pronome pessoal "ele" está exausto*

Ao sair, o homem falou vagamente: "Graças a Deus, eu não queria te assustar, mas eu sou médico..." explicou enquanto vestia uma roupa azul protetora, "... E VOCÊ TEM EBOLA, MOTHERFUCKER!" ele completa gritando enquanto imobiliza o homem, depois ligando para a emergência em seguida. Dias depois minha colega de trabalho descobriu que essa história era na verdade apenas uma das 43857393920398943958732666928392893 (e ainda contando) matérias alarmistas sobre a Ebola feitas por um estagiário da GloboNews.

(N/T: Se você acha piadas envolvendo Ebola ofensivas, troque o "Ebola" no texto por AIDS, porque ninguém mais se importa com piadas sobre AIDS hoje em dia).

Filmes Snuff

Você já viu alguém morrer em cena? (é uma pergunta retórica, retardado).

Um Filme Snuff é a gravação de um assassinato real de um ser humano, para posteriormente ser repassado para fins lucrativos e de entretenimento em forma de pornografia russa; o povo russo (principalmente seu líder Putin) é um dos principais consumidores desse tipo de filme. Suicídios e acidentes não contam, idiota. De acordo com a MPAA, a FCC, o FBI e o programa Mais Você (em um episódio envolvendo assassinato de Louro José, mas ao receber comentários negativos foi logo apagado do Creepypasta Bra... quer dizer, da Rede Globo), Filmes Snuff não existem. Sim, isso inclui todos os filmes do Chucky depois do terceiro, eles são uma bosta mas não é pra tanto.

Na verdade, tudo isso é mentira.

Filmes Snuff ainda existem nos dias de hoje, e o mais surpreendente: eles são exibidos na frente dos nossos olhos. O último registrado foi a quatro anos, a julgar pelo cabelo e a posição de Ministra-chefe da Casa Civil. Esses tipos de filmes normalmente começam entre debates ritualizados entre as possíveis vítimas, seguidos pela escolha final de uma delas pelos compradores do filme; mas antes os compradores brigam entre si como cachorras no cio discutindo qual é o melhor no twitter e no facebook, debates esses que podem envolver xenofobia, homofobia e outras coisas que saem do sistema excretor, revelando preconceitos escondidos nos respectivos compradores, que ainda por cima se acham superiores por escolherem certa vítima.

Porém, o fato mais estranho... é que nada muda nos 4 anos que se seguem.


19 de ago de 2014

A Nova Noiva

Durante um casamento coisa e tal de um casal jovem coisa e tal, os convidados tiveram a excelente ideia de brincar de esconde-esconde (e não, não vou fazer a piadinha do esconde-estupra, tá me achando com cara de Rafinha Bastos?) bêbados. O noivo então foi designado à procurar cada um dos convidados e os estupraria e o bebê também (porra Rafinha, sai daqui). Após um tempo ele achou todos, menos sua noiva, e então ele ficou puto da vida e não procurou mais ela - logo quem mais importava no maldito casamento.

Alguns anos depois, a faxineira tentava roubar um velho baú no sótão do edifício, onde a festa havia acontecido, e por curiosidade, ela o abriu, descobrindo que o baú é um portal para Ponyville, e lá estava a noiva, feliz da vida com os outros pôneizinhos e pouco se fodendo para o que havia acontecido com o marido babaca dela e aqueles pinguços da festa. Pônei is Love, Pônei is Life.

Pequena atualização: Sobre o Creepy Video do jogo Slenderman (finalmente!)

Não tem atualização nenhuma, mas depois disso tem crepe, eu juro.

12 de ago de 2014

Ambuplay - Usuário 666... brincadeirinha.

Dessa vez, nosso tio Fernando posta, de novo, um vídeo muito melhor do que o do post original (agora banido da memória de vários leitores do Creepypasta Brasil). Que feda.


5 de ago de 2014

Ambuplay - Caverna do Dragão [Episódio Final]... ou não.

Como todo mundo sabe, durante um tempinho (mais ou menos), o Creepypasta Brasil ficou postando uns vídeosdo Ambuplay em uma parceria aí até que o Ambu traí o Creepypasta Brasil, não dando os links da parceria. Uma história digna de novela, posso dizer. Mas enfim, como somos a paródia deles, temos que parodiar post por post, mas como estou cagando e andando pra isso, fiquem com esse vídeo super divertido de um cachorro cantando "Madness" do Muse.


4 de ago de 2014

A mentira de sua vida.

A vida como você conhece é uma mentira (ignore este parágrafo se você for adotado).

Tudo parece muito hiper-realista pra você. Percebeu que nos seus sonhos é tudo apenas realístico e na sua "vida real" tudo é hiper-realístico? Bem, se lembra daquele dia em que você caiu do triciclo que você tinha roubado do Quico? Foi bem mais sério do que um simples arranhão na sua palma da mão ou no joelho ou perna. A verdade é que você levou um tapa da Dona Florinda. Você acha que sua vida seguiu em frente desde aquele dia, mas a verdade é que você ficou em coma por causa daquele tapa fatal. Parabéns, você é o Ash Ketchum mexicano.

E não, não sentimos nem um pouco a sua falta, fique aí e continue pegando mais fodendo pokémons e os levando pra fronteira dos Estados Unidos imaginário.


18 de jul de 2014

Hora de Dormir (FINAL)

Olá amiguinhos, faz tempo que não aparece anda que preste aqui no blog (bem, nunca apareceu, mas enfim) e aparentemente os outros postadores desapareceram na escuridão. Enfim, enquanto estava entediado eu notei isso e decidi postar alguma coisa aqui só pra quebrar o gelo, entendem? De qualquer forma, aproveitem.

- Fernando 100% Gatão
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Quando voltei pra casa, fiquei chocado quando percebi que aquilo já estava lá, me aguardando na minha cama, em um pano branco como uma deusa. 

Decidi deixá-lo dormir e depois cobrar os 14 meses de aluguel. Comprei umas coisas massa pra completar o meu plano e fui para outro quarto fingir que estou dormindo e assim a criatura magicamente perceba que estou no quarto e venha tentar me atacar. Nota-se que o ponto alto deste plano é a simplicidade.

Fiquei esperando horas e horas mas ele não vinha, então eu dormi de verdade. UÊBA.

Porém, quando eu acordei, tinha algo com as mãos no meu (pausa dramática) pescoço. Ele tossia e vomitava sobre mim, provavelmente tentando me passar gonorreia. Otário, mal sabia ele que eu já tinha gonorreia. Lutei, chutei, chorei mas não consegui que ele me deixasse em paz, mas bem, o importante é que emoções eu senti. Então, decidi tentar algo: me fingir de morto. G-E-N-I-A-L. Ao perceber isso, ele começou a me cutucar de tudo quanto é canto, me sentia até mesmo um refugiado tentando ir para os Estados Unidos. 

Eu acabei reagindo, fugindo do protocolo de fingir de morto, e graças à Satã, consegui fugir dos braços fortes, tatuados, musculosos, meu deus que braços, oh... ah, enfim, me libertei dos braços do monstro. A verdade é que eu tinha entupido o quarto de gasolina, e com o simples isqueiro que carregava no bolso, eu toquei fogo naquela piranha safada (imagine essa cena ao som de Girl on Fire). Ele se contorcia e gritava em agonia e eu dava risada desse desgraçado. 

Fugi daquela casa invocando um portal mágico (nada dessa história fez sentido mesmo então fodase) e consegui sobreviver às chamas da paixão. E então, vendo a minha casa, meu lar, o local onde aquela criatura havia tirado a minha inocência (no primeiro mal sentido), eu percebi, e tudo começou a fazer sentido...

Todas as minhas lembranças, toda aquela experiência, toda aquela merda, passou pelos meus olhos, como se toda a minha vida até aquele momento tivesse sido só um seriado de televisão que durou seis temporadas e que até mesmo os fãs mais devotos passaram a abandonar porque nada naquela caralhada toda fazia sentido.

Era tudo o sonho de um cachorro.

FIM.

Está crepepasta faz parte de uma série que só apareceu aqui para ludibriar você com este final preguiçoso. Leia as outras partes e xingue bastante nos comentários:

9 de abr de 2014

Vídeos toscos do YouTube

Para preencher o buraco que é os posts do Ambuplay, postarei alguns vídeos toscos da internet. Começando pela Sandra Anenberg (eu acho que é assim que se escreve) que antes de te manipular na Globo, te manipulava no McDonalds. Veja esse vídeo de 1862:


Não coma no McDonalds!

6 de abr de 2014

"Uma maçã por dia mantém o médico longe"

Você conhece a expressão "Uma maçã por dia mantém o médico longe"?

Nem eu.

Dizem que esta frase serve para crianças pirralhas que costumam se engasgar em chocolates, doces e cocô. Mas existe uma verdade mais profunda nisso, e ela é assustadora se não fosse não estaria aqui.

Em uma cidade whatever (acho que era Nárnia) surgiu um grande número de arrombamentos de ânus lares. A cidade, preocupada, era a cidade que ficou preocupada, não as pessoas que moravam nela. Então, achando que o assassino fosse o Papai Noel aquele velho safado colocaram biscoitos e leite no meio da rua.

Depois de um cão lamber, um gato mijar dentro do copo e um rato passar por cima, o Papai Noel veio e comeu, morrendo de raiva, leptospirose e sífilis (este último de uma prostituta, a Mamãe Noel não está mais com tudo em cima).

Antes de morrer, ele disse: "Eu não sou o estuprador".

Os crimes continuaram acontecendo e a cidade teve que se esconder dentro de um armário.

E o que isso tem a ver com a frase da maçã?

Ah, a frase da maçã! Eu tinha me esquecido. A frase é apenas um ditado popularizado pelo tempo.

Receba nossas atualizações por e-mail