20 de out de 2013

Ickbarr Bigelsteine

Quando eu era pequeno, eu tinha muito medo do Pedobear, e do escuro também. Eu ainda tenho, mas antes quando eu tinha mais ou menos uns seis anos eu não conseguia passar uma noite sem chorar, não por ter medo do escuro, mas porque minha irmã viva escutando as músicas do Rebelde de noite. Meus pais tentavam me consolar dizendo que minha irmã estava apenas na sua fase "mal-comidável" e que ela precisava dessas músicas para evitar que ela se cortasse pra depois postar no tumblr. Na maioria das vezes eu enfiava no meu ouvido um consolo que minha mãe escondia no guarda-roupa mas mesmo assim não adiantou, aquela maldita música conseguia ser mais suicida do que "Gloomy Sunday".

Depois da noite traumatizante, meus pais tentaram conversar com minha irmã pra ela parar com o fogo no orifício anal, mas não se pode dialogar com uma "adolescente bi 13 anos ama pandas", e então ela cortou os pulsos e jogou sangue na cara dos meus pais. Então eles decidiram me ajudar a dormir, já que não podiam curar a frescurite da minha irmã. Eles foram num centro de macumba e roubaram algumas oferendas, modificaram um pouco e fizeram um amiguinho pra mim.

Ela juntou vários pedaços aleatórios, encheu de algodão e um pouquin de merda, colocou uma faca e um livro satânico (plagiando o fofão) e eu o chamei posteriormente de Sr. Ickbarr Bigelsteine, um nome lindo de jesus, ou apenas Ick para encúrtar. Ick era um monstro de meia como minha mãe costuvama dizer, que pais maravilhosos que deixavam um bicho feio do demônio pra dormir com seus filhos, não é? Mas eu o amei de primeira (?).

Do começo, ele não desgrudava de mim. Muito menos depois do escurecer, pois nós faziamos surubão com o Slender, o The Rake e o pedobear, depois que eu perdi o medo dele, é claro. Ick não gostava do sol (ele era um primo distante do Edward do GayCrepúsculo) e ficava chateado se o levasse para a escola, até eu ficaria, pois então. Ele sempre espantava os monstros e bichos-papões, antes de fazer uma rapidinha com eles, lógico, mas ele sempre me ajudava e mostrava onde eles estavam escondidos. As vezes ele plagiava o Leonardo Di Caprio e entrava nos meus sonhos, as vezes eu falava com ele. "O quanto você me ama?" Ele perguntava. "Mais do que qualquer coisa do mundo." Eu respondia sempre. Uma vez, em um sonho o Slender me deu um soco na cara, eu perdi meu primeiro dente, e então Ick me pediu um favor.

"Posso ficar com o seu dente?"

Eu perguntei pra que ele o queria"

"Pra enfiar no rabo do perguntador Pra matar os monstro." Ele disse.

E então a história passa, minha mãe pergunta onde estava os dentes, blá blá blá eu digo que dei pro Ick (uii) e ela dá de ombros (uii²) e voltou a costurar os pulsos da desgraçada da minha irmã que tinha se cortado de novo na noite passada. Daí em diante eu sempre fiquei dando (os dentes, galera) pro Ickbarr e ele me defendia dos monstros e dos bichos. Ele sempre me agradecia, é claro, e dizia que me amava (Ickbarr s2 forever). Eventualmente eu cresci e finalmente criei bom senso e joguei aquela porra loka no lixo, mas aí os demônios começaram a querer me comer (nos dois sentidos) e eu então decidi pedir a ajuda do Superman, mas aí eu lembrei que ele não existe. Aí o Ickbarr apareceu do quinto dos infernos e disse:

"Porque eu deveria te proteger, se você não me alimenta mais?

"Me proteger do que?"

Então do nada uma imagem da Gretchen surgiu na minha tv, ela me observava com aqueles olhos satânicos e seu sorriso macabro me fitava, meus dedos tremiam, e ela então começou a sair da tv, ela correu até mim e o fdp do Ickbarr dizia que poderia me proteger daquela visão do inferno, eu arranquei um dente meu e joguei na cara dele enquanto falava "Me protege logo filha da puta!". A Gretchen virou fumaça e então foi trabalhar numa lanchonete.

No dia seguinte eu comecei a roubar o dente dos outros, roubei os da minha irmã, apesar das longas conversar que eu tive com a Fada do Dente, roubei a dentadura do meu pai, roubei dos cachorros, do gato, do Lula, da Regina Cazé, etc... Quase imediatamente as noites de terror acabavam, e eu conseguia seguir minha vida normalmente, ignorando o fato de eu ter me transformado em um lunático ladrão de dentes. Então eu passei a notar que Ick mexia nas minhas coisas, no meu celular, no meu facebook, mas eu não podia fazer nada, não podia destrui-lo, senão ele poderia aumentar o preço do PS4 quando chegar ao Brasil, tarde demais. Quanto mais velho eu fico, mais esse fdp precisava de mais dentes pra enfiar sei lá aonde.

Agora eu tenho 22 anos, com um trabalho decente de gigolô, meu próprio puteiro e um conjunto de dentaduras e revistas pornô. Faz quase um mês desde a última refeição do Ick, e o filho da puta ainda quer mais, e a merda daqueles sonhos com a Gretchen estão piorando, com ela vindo até mim junto com a filha dela, a Thammy Gretchen, pra me comer. Tomei um desvio do trabalho pra matar uns cara e arrancar os dentre deles. Ele tinha uns dente amarelos, e não eram de ouro, mas arranquei assim mesmo, quero mais é que se foda. Quando voltei pro puteiro, lá estava o desgraçado me esperando.

"Porque demorou?" Ele perguntou.

"Tava difícil arrumar uns dente, mas tá aqui, o bagulho é du bom!"

"Agora o SBT vai reprisar Rebelde denovo!"

"Puq fais içu Ick?"


6 comentários :

  1. PKASAPAPPOAKSOAKSPAKSPAPSOAKAPKAKZ ESSA FOI BOA MAN.E aliás,puq faiz içu Ick?

    ResponderExcluir
  2. Valeu manolo, fiquei sem postar aqui e pensei que estava um pouco enferrujado...

    ResponderExcluir
  3. Pô Fernando suas crepes são demais cara! :D Bem que o cara podia virar dentista né? Kkkk Foda demais, parabéns :)

    ResponderExcluir
  4. Faz um crepe da creepy "guardiao da musica"

    ResponderExcluir

Receba nossas atualizações por e-mail