20 de mai de 2013

Sr. Bocalarga

Minha família era um cu, um monte de nômades que não decidem onde mora. Já moramos no Brooklin, Alemão, Minas Gerais, Icuí, Turquia...

Quando mudamos para Rhode Island, população: 1234 [BANG, BANG] 1233, ficamos por mais tempo lá: 3 dias. Minhas memórias eram poucas. Dando o cu para meninos mais velhos do que eu, recebendo o fora de uma garota...

Lembro de ter ficado doente. O médico disse que era inflamação na glande, e que eu seria estéril para sempre. O que é estéril? Fiquei dias de cama. Por preguiça mesmo, só que minha mãe não queria levar o controle até minha cama. Tive que me levantar e caminhar 3 centímetros.

Como tinha DST, ninguém queria se aproximar de mim achando que era Aids. Então tive que inventar amigos imaginários igual a um retardado.

Eu não lembro como conheci Sr. Bocalarga, só lembro que perguntei "Por que Sr. Bocalarga?" e ele respondeu "Para fazer boquete melhor." Tudo seu era grande, menos seu pau. Ele parecia mais um mafagafo.

Todo dia brincávamos de pique-estupra. Ele sempre era a mãe. Seu pênis fazia cócegas. Eu falava que tinha Aids mas ele não ligava. Ele gostava de levantar a saia das menininhas.

Depois começávamos a fazer brincadeiras sexuais mais excitantes. Certa vez ele me algemou na cama e me melou de açúcar. Depois ele abriu a janela. Ferrada de abelha dói. Outra vez ele me amarrou e começou a me exorcisar. Saiu uma coisa pior que um demônio.

Mas cada vez as brincadeiras ficaram mais severas. Certo dia ele me mandou pular da janela do 145626896532º andar. Eu pulei e cai em cima de um velhinho que morreu na hora. Eu disse ao Sr. Bocalarga mas ele disse que era porque era a hora dele.

Meu cu já estava demasiadamente arrombado. Sr. Bocalarga disse que havia um caminho para um lugar mágico. Nesse lugar tudo era feito de doces, haviam pôneis voadores feitos de pudim e unicórnios e o rio era de chocolate. Sonho de qualquer criança.

Mas eu tenho diabetes (sou estragado) então recusei.

— Venha, é bom pra morrer viver.

— Não, obrigado.

— Vem logo porra!

Eu não fui. :P Fiquei dias sem falar com Sr. Bocalarga. Ele me seduzia, dizia que comprara uma camisinha de chocolate que adoro, mas eu resisti.

Minha família se mudou (pra variar). Arrumei minhas coisas e entrei no carro. Enquanto o carro se afastava vi Sr. Bocalarga acenando pra mim. Joguei uma pedra na cabeça dele.

Hoje eu tenho 130 anos isso não estava nos meus planos, e bateu a vontade de fazer com Sr. Bocalarga, então voltei à minha antiga house. Não o encontrei lá. Pensei ir pelo caminho que ele me mostrou. Segui reto e ao chegar no final encontrei uma casa de prostituição de crianças. Donos: Sr. Bocalarga, Slender Man, Hypno, Barney e Pedobear. Dei pro Sr. Bocalarga e fui embora.

2 comentários :

Receba nossas atualizações por e-mail